YZF R1 – Crossplane X Flatplane

Still today, its just log on to the online motorcycle forums or youtube to see the debates about “the ugly sound of the ‘new’ R1.” And it was clear the disapproval of the majority of users of 1000cc about the noise that the bike brings from the year 2009. (I say was, because the Yamaha YZF R1 returned among the top 10 sport bikes sold). And I, exercising my civic duty, came to say a bit of that bike with “ugly” noise, but that it needs to be really brave to accelerate.

But why the sound has changed ???

It is not only a change of a more acute sound, it is a set of results of a configuration previously unheard in street bikes.

Launched in 2009, the YZF R1 brings the same technology as the Valentino Rossi YZR M1 in MotoGP. But the big differential of this “new” R1 is that, in fact, the model incorporates the same engine architecture used on track bikes (and is not a simply phrase from Yamaha’s marketing department). It is a crankshaft where the configuration was inherited from competition motorcycles, a different arrangement of crankshafts, called “Cross-Plane”. This new technology is in the engine and is called “Big Bang”, that is, a “big explosion”. That’s because the entire engine blast cycle changed, its in-line four cylinders had different blast times, with two cylinders exploding at each cycle (turn of the crankshaft) and in the next cycle the other two.

lijsom4kg4vspuddmp4gThe Big Bang System innovates with the four cylinders exploding in the same cycle, even in misaligned times (different) they have sequential bursts every 90 degrees or ¼ turn of the crankshaft, so the answer in the accelerations is countless times stronger. Another innovation is that the second cycle of the engine turns without explosion, which causes the rear tire to recompose itself giving adhesion and soon in the next “poww”, one more strong explosion. With that changed the riding characteristic completely, and the R1 was born that was elected the bike of the year 2009/2010.

3934083777_e7cd8d0144 Some other changes have also been made to complete this new concept. The new Delta-box frame was also inspired by the Italian rider’s race bike, and received improvements to “support” the more powerful engine. It has strengthened rigidity, ensuring better manoeuvrability, more precision in the bends and stability at high speeds. The rear balance, built asymmetrically, is 30% stiffer than the previous version, and promises to keep the wheel on the ground at the curve outputs. The suspension system has also been redesigned with a new rear shock damper, fully adjustable. At the front, the 43mm diameter upside down fork has gained new adjustments and is firmer. The brakes are also new in this fifth generation. In the front, the wheels came with two discs 310 mm in diameter (10mm smaller than the 2008 version) but with more powerful six-piston radial calipers.

So, laud sound or technology/power?

Advertisements

YZF R1 – Crossplane X Flatplane

Ainda nos dias de hoje, basta entrar nos fóruns online ou youtube para ver os debates sobre “o ronco feio da ‘nova’ R1”. E era nítido a desaprovação da maioria dos usuários de 1000cc sobre o ronco diferente que a moto traz a partir do ano 2009. (digo era, pois a Yamaha YZF R1 voltou a ficar entre as 10 esportivas mais emplacadas). E eu, exercendo o meu dever cívico, vim falar um pouco dessa moto com barulho “feio”, mas que precisa ter muito peito para acelerar.

Mas porque o ronco mudou ???

Não se trata somente da mudança de um ronco mais agudo, é um conjunto de resultados de uma configuração até então inédita em motos de rua.

Lançada em 2009 no exterior,  e em 2010 no Brasil, a YZF R1 trás  a mesma tecnologia da YZR M1 de Valentino Rossi no MotoGP. Mas o grande diferencial dessa “nova” R1 é que, de fato, o modelo incorpora a mesma arquitetura do motor usado nas motos de pista (e não é simplesmente uma frase de efeito do departamento de marketing da Yamaha). Trata-se de um virabrequim onde a configuração foi herdada das motocicletas de competição, uma disposição diferente de virabrequim, o chamado “Cross-Plane” (“plano em cruz”). Essa nova tecnologia está no motor e se denomina “Big Bang”, ou seja, uma “grande explosão”.  Isso porque foi alterado todo o ciclo de explosão do motor, seus quatro cilindros em linha tinham tempos de explosão diferentes, a cada ciclo (volta do virabrequim) dois cilindros explodiam e no próximo ciclo os outros dois.

lijsom4kg4vspuddmp4gO Sistema Big Bang inova com os quatro cilindros explodindo no mesmo ciclo, mesmo em tempos desalinhados (diferentes) eles tem explosões sequenciais a cada 90 graus ou ¼ de volta do virabrequim, com isto a resposta nas acelerações é inúmeras vezes mais forte. Outra inovação é que o segundo ciclo do giro do motor fica sem explosão, o que faz com que o pneu traseiro se recomponha dando aderência e logo na seguida “pau”, mais uma forte explosão. Com isso mudou totalmente a característica de pilotagem, e nasce a R1 que foi eleita a moto do ano de 2009/2010.

 

 

3934083777_e7cd8d0144Algumas outras alterações também foram feitas para completar esse novo conceito. O novo quadro Deltabox também foi inspirado na moto de corrida do piloto italiano, e recebeu melhorias para “suportar” o motor mais potente. Teve a rigidez reforçada, garantindo melhor maneabilidade, mais precisão nas curvas e estabilidade em altas velocidades. A balança traseira, construída de forma assimétrica, é 30% mais rígida que na versão anterior, e promete manter a roda no chão nas saídas de curva. O sistema de suspensão também foi redesenhado com um novo amortecedor na traseira, totalmente ajustável. Na dianteira, o garfo upside-down de 43 mm de diâmetro ganhou novos ajustes e está mais firme. Os freios também são novos nessa quinta geração. Na dianteira, as rodas chegaram com dois discos de 310 mm de diâmetro (10 mm menor que a versão 2008) mas com pinças radiais mais potentes, de seis pistões.

E ai, ronco ou tecnologia/potencia ?

Myth of MotoGP Valentino Rossi collects enemies on the track

In February, an Italian humor program called Le Lene invited the phenomenon Valentino Rossi. The tone of the interview was humorous and during the show Rossi was forced to participate in a video game race with presenters, being forced to use his Spanish rival Jorge Lorenzo.

rossi-iene

The joke served to introduce the question about which rider irritated him the most during his career. Rossi ignored his current rivals as Jorge Lorenzo and Marc Márquez “With Max Biaggi there was a great rivalry, so he was the rider that made me the most angry” said The Doctor.

At the age of 38, the Italian was asked if he would like to return and start his career again. “It would be good, especially since it would mean being 16 or 17 years old again” he said.

One of the most successful riders in history, the nine times world champion, Valentino is also the richest in the Moto GP, with an annual salary of US$12 million, plus an accumulated fortune Of  US$135 million career.

2015-Yamaha-Racing-Valentino-Rossi-25-600x400

He is known for both talent and for doing everything for a victory, Rossi is also one of the most hated riders on the circuit. Despite the extroverted and funny way, he has a series of enemies, who have always accused him of playing dirty. But nothing that Valentino Rossi is no longer accustomed to.

Remember the greatest enmities of the myth of MotoGP

MAX BIAGGI

The talented Italian, owner of four 250cc titles, became Valentino’s No. 1 nemesis during his MotoGP years, between 1998 and 2005. Biagi witnessed the birth of the Phenomenon, with whom he played every curve at the edge of loyalty.

52159-300x207

11055484_853330774736907_1547731091_n-300x300The relationship became dreadful at the 2001 Japan GP when Biaggi pushed and sent Valentino to the grass. (All this at 240km/ h).

Rossi, who would be MotoGP champion for the first time that year, did not give up, got back on the bike, raced madly and passed his opponent on the next lap. Upon passing Biaggi, he showed the middle finger, in an image immortalized in the history of the Moto GP.

Over the next four years, rivals continued to hate each other, fighting and arguing around frequently. Biaggi left the biggest category in 2005, and today he dispute the Superbike, modality in which it gained two titles.

SETE GIBERNAU

1rossi-gibernau-friends-300x200A classic case of friends who have come to hate each other because of the egos fight. Rossi and the Spanish were considered good partners, and were often seen sharing a beer after the races. However, everything changed after the 2004 Qatar Grand Prix.

At the time, Valentino made the pole position, but Gibernau complained strongly that he knew that Yamaha had made some modifications on the opponent’s bike to give him an advantage in dribbling the sand of the circuit.

The organizers accepted Gibernau’s protest, and Valentino had to leave in the last position. During the race Rossi ended up crashing and did not score points, giving continuity to a weekend of nightmares.

After the episode, Rossi accused Gibernau of “dirty game” and broke relations with the friend. The partners, who once drank and laughed together, were no longer talking and exchanging accusations behind the scenes.

valentino-rossi-sete-gibernau-2009-600x449

CASEY STONER

Owner of two titles of the highest category of the Moto GP, the Australian was another who placed Valentino Rossi on his list of hated. The most remarkable episode of this fight happened in the GP of Laguna Seca in 2008.

That weekend, Stoner, who was the champion of the season, dominated all training and took the pole. He was the favorite in the race, but eventually overtaken by Rossi in a polemic maneuver, that gave victory (and later the title) to the Italian.

motogpusa

350_b0950931-212e-3aeb-a41b-702bb90598d4-300x225After the race, the Australian revolted, complained that the track of Valentino on the race disrespected all the limits of loyalty and fired: “I lost all respect I had for him.”

The enmity lasted for three years, but at the 2011 Spanish GP in Jerez de la Frontera, Rossi tried to apologize and extended his hand to Stoner, who declined, and say that the Italian had let his ego surpass his talent.

JORGE LORENZO

motogp-yamaha-yzr-m1-launch-2015-valentino-rossi-and-jorge-lorenzo-yamaha-factory-racing-300x200The ex team-mate at Yamaha may be you “oldest enemy”. Valentino always made it clear that before partners, they are opponents. No wonder Rossi always referred to Lorenzo as his first enemy. “We have a good respect relationship, both on and off the track. But as everyone knows, his team-mate is his first rival because he has the same bike as you. “It’s the first guy I have to win,” Said Vale in an interview.

Valentino-Rossi-vs-Jorge-Lorenzo-kualifikasi-MotoGP-San-Marino-2015-300x200Despite having 3 titles of the highest category of MotoGP, Lorenzo never had 100% respect from his teammate. Rossi always considered that in the years when the Spanish won the title (2010, 2012 and 2015), They did not compete on equality.

After the Spanish was hired by the Japanese team in 2008, Valentino ordered the boxes of both to be separated by a wall, and also as prohibiting any information exchange between mechanics.

Both staged unforgettable races at Valencia, Assen and Sachsenring but perhaps the duel of the century was the one they both faced at the celebrated 2009 Catalunya GP, when Rossi overcame his teammate’s Yamaha with an impossible braking on the final corner of the race.

a1-768x509

MARC MARQUEZ

04 GP Jerez de la Frontera, 30 de abril a 3 de mayo de 2015.

Marc, his latest latest case, is a candidate to become one of the greatest legends of the MotoGP, and he has no doubt that Valentino Rossi is the best in history.

But the friendship did not last for long, things have been different between them, after 2015 with the polemic incident in Malaysia, where the Spanish ended up falling into a controversial maneuver in an attempt to overtake over the Italian, with a gentle RC213V Against a rebel, YZR-M1 Márquez was not in a position to react.

Incidente-Rossi-Marquez-Gp-malesia-1024x615-768x461

The young prodigy of Honda, who in recent past had made several references to the nine time MotoGP champion, says he maintains Rossi as an idol, but has no respect for his rival on the track.

” I’d rather not say what he told me. It was not pretty. I always had a lot of respect for him. He will continue to be my idol, but I have lost all respect for him. Me and a lot of people. The way I look at him has changed, ” he said.

“Unfortunately, I lost a lot of time with Marc, on the corner I tried to go outside the track because he tried to cause me problems, but I do not know, he came on top of me and we hit at that moment,” said the Italian

Valentino is a reference for many, for everything he has done, the records he has achieved and the fans he has are impressive, and the Italian continues to run with the will to reach the tenth world title.

a-trajetoria-de-valentino-rossi-uma-fera-sob-duas-rodas-capacete-moto2-300x225

 

 

Mito da MotoGP Valentino Rossi, coleciona inimigos na pista

Em fevereiro um programa de humor italiano chamado Le Lene teve como convidado o fenômeno Valentino Rossi. O tom da entrevista foi de humor e durante o programa, Rossi foi obrigado a participar de uma corrida no vídeo game com os apresentadores sendo obrigado a usar seu rival espanhol Jorge Lorenzo.

rossi-iene

A brincadeira serviu para introduzir a pergunta sobre qual piloto o irritou mais durante sua carreira. Rossi descartou seus rivais atuais, como Jorge Lorenzo e Marc Márquez “Com Max Biaggi houve uma grande rivalidade, portanto ele foi o piloto que mais me fez ter raiva” Declarou O Doutor.

Com 38 anos de idade, o italiano foi perguntado se gostaria de voltar e começar de novo sua carreira “Seria bom, especialmente porque isso significaria ter 16 ou 17 anos de novo”, disse.

Um dos pilotos de maior sucesso na história, com 7 títulos da MotoGP, um de 250cc e mais um de 125cc, Valentino também é o mais rico de toda a motovelocidade, com um salário anual de US$ 12 milhões, além de uma fortuna acumulada de US$ 135 milhões na carreira.

2015-Yamaha-Racing-Valentino-Rossi-25-600x400

Conhecido tanto pelo talento quanto por fazer de tudo por uma vitória, Rossi é, também, um dos pilotos mais odiados do circuito. Apesar do jeito extrovertido e engraçado, ele tem uma série de inimigos, que sempre o acusaram de jogar sujo. Mas nada que Valentino Rossi já não esteja acostumado.

Relembre as maiores inimizades do mito da MotoGP

MAX BIAGGI

O talentoso italiano, dono de quatro títulos da 250cc, tornou-se o inimigo nº 1 de Valentino durante seus anos de MotoGP, entre 1998 e 2005. Biagi testemunhou o nascimento do fenômeno Rossi, com quem disputou cada curva no limite da lealdade.

52159-300x207

11055484_853330774736907_1547731091_n-300x300

 A relação tornou-se péssima no GP do Japão de 2001, quando Biaggi deu uma cotovelada e mandou Valentino para a grama. (tudo isso a 240km/h).

Rossi, que seria campeão da MotoGP pela primeira vez naquele ano, não se deu por vencido, voltou para a moto, acelerou loucamente e passou o adversário logo na volta seguinte. Ao ultrapassar Biaggi, mostrou o dedo médio, em uma imagem imortalizada na história da motovelocidade.

Nos próximos quatro anos, os rivais seguiram se odiando, brigando e se cutucando com frequência. Biaggi deixou a categoria maior em 2005, e hoje disputa a Superbike, modalidade na qual faturou dois títulos.

SETE GIBERNAU

1rossi-gibernau-friends-300x200

 Um caso clássico de amigos que passaram a se odiar devido à briga de egos. Rossi e o espanhol eram considerados bons parceiros, e frequentemente eram vistos dividindo uma cerveja após as corridas. No entanto, tudo mudou após o GP do Catar de 2004.

Na ocasião, Valentino fez a pole position, mas Gibernau reclamou fortemente alegando que sabia que a Yamaha havia feito algumas modificações na moto do adversário para lhe dar vantagem na hora de driblar a areia do circuito.

Os organizadores aceitaram o protesto de Gibernau, e Valentino teve que largar na última posição. Durante a corrida Rossi acabou se acidentando e não somou pontos, dando continuidade a um fim de semana dos pesadelos.

Após o episódio, Rossi acusou Gibernau de “jogo sujo” e rompeu relações com o amigo. Os parceiros, que antes bebiam e riam juntos, passaram a não mais se falar e trocar acusações nos bastidores.

valentino-rossi-sete-gibernau-2009-600x449

CASEY STONER

Dono de dois títulos da maior categoria da motovelocidade, o australiano foi outro que colocou Valentino Rossi em sua lista de desafetos. O episódio mais marcante dessa briga aconteceu no GP de Laguna Seca de 2008.

Naquele final de semana, Stoner, que era o campeão da época, dominou todos os treinos e fez a pole. Ele era o favorito na corrida, mas acabou ultrapassado no fim por Rossi, em uma manobra polêmica, que deu a vitória (e mais tarde o título) ao italiano.

motogpusa

350_b0950931-212e-3aeb-a41b-702bb90598d4-300x225

Após a corrida, o australiano se revoltou, reclamou que o traçado de Valentino na pista desrespeitou todos os limites da lealdade e disparou: “Perdi todo o respeito que tinha por ele”.

A inimizade se manteve por três anos, mas, no GP da Espanha de 2011, em Jerez de la Frontera, Rossi tentou pedir desculpas e estendeu a mão a Stoner, que recusou dizendo que o italiano havia deixado seu ego ultrapassar seu talento.

JORGE LORENZO

motogp-yamaha-yzr-m1-launch-2015-valentino-rossi-and-jorge-lorenzo-yamaha-factory-racing-300x200

O ex companheiro de equipe na Yamaha, talvez seja o seu inimigo “mais amigo”. Valentino sempre deixou claro que, antes de parceiros, eles são adversários ferrenhos. Não à toa, Rossi sempre se referiu a Lorenzo como seu primeiro inimigo. “Nós temos uma boa relação de respeito, tanto dentro quanto fora das pistas. Mas, como todos sabem, seu colega de equipe é seu primeiro rival, porque ele tem a mesma moto que você’’ ‘’É o primeiro cara que tenho que vencer”, disparou o líder da MotoGP, em entrevista.

 

Valentino-Rossi-vs-Jorge-Lorenzo-kualifikasi-MotoGP-San-Marino-2015-300x200

Apesar de ter 3 títulos da maior categoria das motos, Lorenzo nunca teve 100% de respeito de seu colega de equipe. Rossi sempre considerou que, nos anos em que o espanhol faturou o título (2010 e 2012 e 2015), eles não competiram em condição de igualdade.

 

Depois que o espanhol foi contratado pela equipe japonesa, em 2008, Valentino, ordenou que os boxes de ambos ficassem separados por uma parede, além de proibir qualquer troca de informações entre os mecânicos.

Ambos protagonizaram corridas inesquecíveis em Valência, Assen e Sachsenring mas talvez o duelo do século tenha sido aquele que ambos enfrentaram no célebre GP da Catalunha de 2009, quando Rossi ultrapassou a Yamaha do seu companheiro com uma travagem impossível na última curva da corrida.

a1-768x509

MARC MARQUEZ

04 GP Jerez de la Frontera, 30 de abril a 3 de mayo de 2015.

Marc, seu ultimo caso mais recente, é candidato a tornar-se numa das maiores lendas da modalidade, e não tem dúvidas de que Valentino Rossi, é o melhor da história.

Mas a amizade não durou por muito tempo, as coisas tem sido diferente entre os dois, após 2015 com o polêmico incidente na Malaysia, aonde o espanhol acabou caindo em uma manobra polêmica na tentativa de ultrapassagem sobre o italiano, com uma RC213V um tanto comportada contra uma YZR-M1 para lá de rebelde, Márquez não teve condições de reagir.

Incidente-Rossi-Marquez-Gp-malesia-1024x615-768x461

O jovem prodígio da Honda, que em um passado recente, havia feito diversas referências ao heptacampeão da MotoGP, diz que mantém Rossi como ídolo, mas não tem mais respeito pelo agora rival nas pistas.

D704ED82F1D63D1F7CE45DE351B8A7F7_site-300x197‘’Prefiro nem dizer o que ele me disse. Não foi bonito. Sempre tive muito respeito por ele. Vai continuar sendo o meu ídolo, mas perdi todo o respeito que tinha por ele. Eu e muita gente. A forma como olho para ele mudou’’ afirmou.

“Infelizmente, eu perdi muito tempo com o Marc, na curva eu tentei ir por fora do traçado para porque ele tentou me causar problemas, mas não sei, ele veio para cima de mim e batemos naquele momento”, afirmou o hexacampeão da categoria.

Valentino esse é uma referência para muitos por tudo o que fez, os recordes que conseguiu e os fãs que tem são impressionantes, e o italiano continua a correr com a vontade de chegar ao décimo título mundial.

a-trajetoria-de-valentino-rossi-uma-fera-sob-duas-rodas-capacete-moto2-300x225

 

Triumph Bike Day at Ace Cafe – London

On this last Sunday, the popular Ace Cafe London has invited to the beloved British Triumph, which is already 115 years of history and has been popular since World War I, where the government of England appointed Triumph the mission to equip the British army.

19095347_10156405615398975_8102309552760043953_o

The TRIUMPH BIKE DAY event was an event open to the general public, where all Triumph lovers could attend and display their machines, which had a good arsenal from classic, customized, cafe racers to the most current sport bikes, and as always fun atmosphere with good company and good conversations that always you can find in Ace Cafe.

 

This slideshow requires JavaScript.


For those who were present at the event, they also had the opportunity to check out a new independent British production with DNA Triumph: Spirit Motorcycles which exposed their creation which as they themselves said “Designed for the track, built for the road”

19095312_1598243873550584_8872252644970972267_o
The event ended early, but featured a beautiful Sunday morning sun, pleasant weather that certainly left with taste of want more for who attended.

Photos: Ivo Ivanov www.imagefactory-studio.com

Triumph Bike Day at Ace Cafe – London

Nesse ultimo domingo, o popular Ace Cafe London teve como convidado a queridinha britânica Triumph que já tem 115 anos de historia e ficou popular desde a 1ª Guerra Mundial, aonde o governo da Inglaterra designou à Triumph a missão de equipar o exército britânico.

19095347_10156405615398975_8102309552760043953_o

O evento TRIUMPH BIKE DAY foi um evento aberto ao publico em geral, aonde todos os amantes de Triumph puderam comparecer e exibir suas maquinas, que contou com um bom arsenal desde clássicas, customizadas, cafe racers ate as mais atuais esportivas, e como sempre o clima de diversão com boas companhias e boas conversas que sempre rola no Ace Cafe.

 

This slideshow requires JavaScript.

Para os que tiveram presente no evento, também tiveram a oportunidade de conferir uma nova produção britânica independente com DNA Triumph: Spirit Motorcycles que expôs sua criação que como eles mesmo disseram ”Projetado para a pista, construído para a estrada”

19095312_1598243873550584_8872252644970972267_o

O evento terminou cedo, mas contou com uma linda manha de sol de domingo, clima agradável que com certeza deixou com gostinho de quero mais para quem compareceu.

Fotos: Ivo Ivanov www.imagefactory-studio.com

Mv Agusta F4 RC Ed. Limitada

A MV Agusta revelou a versão mais nervosa e exclusiva de sua superesportiva F4. A F4 RC “Reparto Corse”. Trata-se de uma edição limitada de apenas 250 unidades preparada pela divisão de competições da montadora. Ainda não há previsão de vir para o Brasil (como sempre, os esquecidos) mas confere ai no vídeo da MV o que é essa maquina. o/

A moto é uma evolução da F4 RR convencional. Com a mesma pintura, ela é praticamente uma versão com placa e farol do modelo que está sendo utilizado esse ano no World Superbike com o piloto britânico Leon Camier. (o boy magia, garoto propaganda do vídeo *-*)

transferir mv-agusta-f4-rc-shows-amg-logo-packs-212-hp_2

Mas não é só a pintura que se assemelha a das motos que disputam o campeonato. O motor de quatro cilindros foi inteiramente reformulado para oferecer ainda mais desempenho, utilizando-se magnésio em diversas peças. O resultado são 205 cv de potência a 13.450 rpm, com um torque de 11,7 kgf.m a 9300 rpm. A eletrônica também recebeu uma atenção especial, com a centralina eletrônica ELDOR gerenciando praticamente todos os parâmetros do motor. São 4 modos de pilotagem e há ajustes na sensibilidade do acelerador (Ride-By-Wire), no torque, no freio motor e no quick swifter. O ABS e o Controle de Tração podem ser desligados e possuem 8 níveis de intervenção. As suspensões, como se imaginava, são de primeiríssima qualidade, (não poderia ser menos se tratando da MV Agusta) da marca sueca Öhlins, modelo NIX30 na dianteira, invertida e ajustável. Atrás, o monoamortecedor é do modelo TTX36, com um reservatório separado. Há também um amortecedor de direção. Para parar esse míssil, há dois discos Brembo M50 com pinças radiais e quatro pistões na dianteira. (sou só eu que fiquei com vontade de ver o Valentino pilotando essa fera?)

pequeno (1)  pequeno (3)    p1

Além ficar mais ‘musculosa, a F4 RC também precisou passar por uma rígida dieta, na qual até o peso dos parafusos foi levado em conta, sendo de titânio, a tampa do motor é em magnésio, rodas forjadas o escapamento é termignoni e as carenagens de fibra de carbono. O resultado pôde ser visto na balança: 183 kg à seco, sete a menos que o modelo standard. (será essa a dieta de Einstein? rsrs)

2110183afed3159755f469a2f2f3df05p3 pequeno (2)  mv-agusta-f4-rc_9

Ela mantém ainda as opções de quatro mapas de ignição e três níveis de mudança de resposta de acelerador, torque, freio motor e limitador de giro. Outros itens que continuam são as suspensões com regulagem eletrônica, o freio ABS com modo race, que o deixa mais permissivo e o controle de tração com oito níveis de intervenção. (OMG  será possível por mais tecnologia MV?)

images  2_f4rc_full

Mas o que mais me chama a atenção na MV Agusta F4 RC é a pintura, semelhante à utilizada no campeonato mundial. Todos os patrocinadores estão lá, inclusive o número 37, fazendo alusão ao número de títulos que a marca de Varese já conquistou nas pistas. Também está o logo da AMG, braço esportivo da Mercedes-Benz, a nova proprietária.

134b96a2ad0e5b2c702c1ab29b0ae972 (1) 194c91855a808562f096dce367d4f845

Os compradores ainda levarão para casa um kit para transformar a motocicleta em uma versão de pista, o qual é composto por sistema de escape de titânio, unidade de controle específica, tampa do tanque com liberação rápida entre outros itens. Com ele, a MV Agusta promete elevar o desempenho de 205 cv para 212 cv de potência a 13.600 rpm. O torque é de 11,7 kgf.m a 9.300 rpm. A velocidade máxima é de 302 km/h. (só acho que as japonesas também poderiam copiar essa ideia heim hahah)

mv-agusta-f4-rc-1 images

Maaaas, mais limitada que o numero dessa F4, que vão ser apenas 250 unidades fabricadas, é o valor dessa edição. Enquanto a F4 RR sai, no Brasil, a R$ 91.900, a edição limitada RC tem o valor de 36.900 euros, o que vai sair  cerca de R$ 130 mil dilmas aqui. (ai meu coração)

transferir

É isso ai pessoal, estou ansiosa (como sempre, sempre ansiosa) para ver os teste de primeiras impressões quando essa beleza chegar por aqui na terra dos esquecidos.

Abraços e #VrummVrumm

TT Isle Of Man

Heloow bikers o/ Para os que são ligados no mundo da motovelocidade, (assim como eu 😀 ) com certeza já ouviram falar do TT Isle of Man. O festival, que já tem mais de 100 anos de tradição, realizado desde 28 de maio de 1907 e conhecido como a “corrida mais insana do mundo”. Hoje venho falar um pouquinho do que é essa corrida de rua.. (que me deixa acelerada só de falar)

ISLE-of-MAN-TT-2012 circuit-map

O International Isle of Man Tourist Trophy acontece na Ilha de Man, na Grã-Bretanha (para quem faltou nas aulas de geografia, fica localizada no mar da Irlanda e pertencente ao Reino Unido) ). A corrida é praticada no estilo “time-trial” (obter melhor tempo) e é disputada em um circuito de 60 km com 256 curvas,  em rodovias sem limite de velocidade,  cruzando montanhas e vilarejos, que são percorridos num tempo insano de 17 minutos, com velocidade máximas ultrapassando os 300 km/h. (INSAMENTE INSANO!)

(eu não sei se gosto da Lindsey por causa desse video, ou se gosto desse video por causa da Lindsey.. What??)

Nesses 100 anos de história, o festival, só foi interrompido apenas 3 vezes: na primeira e segunda guerras mundiais, e excepcionalmente também em 2001 graças a uma epidemia local. (ai gente, o que é uma gripinha rsrs) E até 2014 já tiveram mais de 240 competidores como vítimas de acidentes graves ou fatais.

(pra mim, esse é um dos acidentes que mais mpressionam)

(acidente do piloto Yoshinari Matsushita que morreu em 2013 nesse trágico acidente, durante os treinos :/)

Contando com várias categorias distintas, como Senior, Superbike, Superstock, Supersport Race, Sidecar Race e Feminina, pela competição já passaram diversas marcas e algumas delas gravaram seu nome no topo, com destaque para Honda com 111 vitórias, Yamaha com 105 vitórias, Norton com 43 vitórias, MV Agusta com 34 vitórias, BMW com 30 vitórias e Suzuki com 28 vitórias.

2012 images (5)

E esse ano de 2015 o TT Isle of Man, acontecerá entre os dias 30 de maio e 10 de junho, e terá pela segunda vez nosso piloto brasileiro Rafael Paschoalin, que não mais de Ducati, pois assinou com a Yamaha, (heee o/) o que vai lhe proporcionar fazer a prova com uma Yamaha R1 2015, lhe dando grandes possibilidades de sucesso para disputar a perigosa corrida na ilha.  (Agora sim.. Goo #113)

rafael r1 abrepaschoalinilhamanfinal-2

Apesar dos patrocínios, os custos do mundo da motovelocidade são muito altos, ainda mais se tratando de provas internacionais. Paschoalin abriu mais uma vez uma campanha no site de patrocínio coletivo O Pote, onde cada um que colaborar recebe uma recompensa de acordo com o valor investido. O piloto tem como objetivo arrecadar R$98.900 até o dia 4 de abril.

Particularmente eu acho que falta muito incentivo para esse tipo de esporte no Brasil, então ai esta uma oportunidade de levar a nossa bandeira para uma das principais corridas mundiais!! Esse é o link do Paschoalin no O Pote para quem quiser participar e colaborar http://www.opote.com.br/desafio-road-races-2015

É isso ai gente, agora aguardar ansiosa (quase nem sou, sqn) para o final de maio conferir mais uma edição da corrida mais insana do mundo o/

Abraços e #VrummVrumm

Desafio Biker Dance

Hellow bikers o/ Bom, ao contrario do que muita gente pensa, nós bikers, escondidos atrás nossas roupas que mais parecem armadura, (descrição do meu irmão de 8 anos) somos pessoas muito felizes (menos na tpm, que ai é querer de mais né!). E para quem acompanha o mundo youtubers da vida, já viu que ta rolando um desafio entre os bikers gringo, o “biker dance”.

Tudo começou com essas duas figuras ai.. (e essa musica que é muito esquisita)

E olha que os caras tem até um canal só de dancinhas bikers (super curti!) HAHAHA

https://www.youtube.com/channel/UC1lBJXQya1IqiERKxhFgrVg

Depois se tornou viral, e vieram os próximos..

A galera toda o/

O solitário, assim como eu.. (que dó)

As girls.. (também representamos a classe o/ Ráh)

E até outras versões

Maaaas.. tudo corria bem, e alegremente até eu (eu mesma, mim, futura doutora advogada) ser desafiada pela minha amiga, colega, linda, queridíssima fofa (chega de falsidade) a fazer o que?? Isso mesmo, o briker dance !!!

Para quem segue a page no facebook, está ai o dia do desafio..

Fiz até um vine dos erros OMG! kkkk (haa esse é o meu canal no youtube pessoal, se inscrevam ai, que mais para frente vão ter vlogs 😉 )

Enfim.. Missão dada é missão cumprida!! Peguem as pipocas, preparem o saco de risos, (não me zuem please!! ) e divirtam-se!!

Depois desse mico (quem nunca né) desafio todo o pessoal que segue o blog e a page a fazerem também!! HAHAHA (risos de má) É isso ai pessoal.

Abraços e #VrummVrumm

Ducati 1199 Panigale S Senna – Mais que uma homenagem!

Hellow bikers o/ estava eu ontem super concentrada na aula de Civil, quando de repente meus ouvidos super afinados escutam laaaa de longe um #vrummmm (aquele momento que o coração acelera mais que a moto que passou) e um colega percebendo meu estado de euforia (impossível não perceber quando um barulho te acorda mais que um copo de café rs) me disse “eu sou apaixonado pela Ducati” e eu apesar de minhas criticas rebati “você já viu a Ducati Senna?” Apesar de ser uma moto apresentada em 2013 e lançada em 2014 ele não a conhecia. (aow paixão heim rsrs) Enfim.. Trago pra vocês hoje, um pouco do que é essa arma da poderosa Italiana Ducati.

ducatti_senna_2

Durante o Salão Duas Rodas de 2013, a Ducati apresentou a edição especial 1199 Panigale S Senna em homenagem ao piloto de Formula 1, Ayrton Senna. Segundo a montadora, o projeto, feito em parceria com o Instituto Ayrton Senna, foi desenvolvido para celebrar a vida e a paixão do ídolo brasileiro pelas duas rodas. Ducatista e dono de uma Monster 900 e uma Desmo 850, em 1994, antes do fatídico acidente em Ímola, Senna esteve na fábrica da Ducati em Borgo Panigale, na região de Bolonha, para desenvolver a série especial da 916. E apesar de o piloto nunca ter visto uma 1199 Panigale, as mesmas soluções utilizadas em 1994 de sua autoria, foram transferidas ao novo projeto.

Novo Apresentação do Microsoft Office PowerPoint
Senna e sua paixão pelas duas rodas.

Lançada em 1° de maio de 2014 quando completam 20 anos da morte de Ayrton e exclusiva para o mercado nacional, (porem a unidade 000 foi vendida por 35 mil euros ao ex piloto de Moto GP Max Biaggi em um leilão beneficiente. Felipe Massa também tentou comprar a moto, mas não obteve êxito. kkk) a série especial da superesportiva italiana sera um sonho para poucos, pois é limitada a 161 unidades (mesmo número de GPs que o brasileiro disputou na F1) e pelo preço de miseros 100 mil reais, se você correr, pode levar uma para casa. Parte da verba arrecadada com a venda da edição limitada da 1199 Panigale S Senna será revertida para os programas do Instituto Ayrton Senna.

panigale senna 916-1199

Mas vamos ao que interessa, vamos falar de potencia.. A  Superesportiva tem impressionante relação peso-potência de mais de 1 cv por kg. Para domar tanta força, a versão possui uma série de assistências eletrônicas, e  a lista de siglas para os aparatos é imensa, indo de freios ABS, acelerador eletrônico, controle de tração e suspensão eletrônica.

E Como a maioria das motos italianas, a Ducati não economizou em bom gosto estético. A Panigale Senna possui um acabamento bem feito, mas vai além disso. Todo conjunto óptico e o painel digital mostram o esmero dado pela fabricante ao modelo. Em cada mínimo detalhe, a moto mostra um conjunto extremamente harmonioso, já visto na Panigale tradicional e ainda mais latente na Senna por suas cores e acabamentos especiais.

WSD1234A Color_SBK-1199-Panigale-S_Senna_01_1067x600

Apesar de eu mesma torcer o nariz para uma esportiva de motor com dois cilindros, (e deixar claro meu amor pela rival Italiana MV Agusta *-*) é exatamente esta característica que faz a Panigale diferenciada. Enquanto a maioria das grandes sport faz uso de motores com quatro cilindros, o bicilíndrico em L de 1198 cc foi escolhido pela Ducati para equipar a 1199. Segue ai sua ficha técnica.

ducati ficha

Bom é isso ai gente, ainda não tive a oportunidade de ver uma pessoalmente, mas deve ser de encher os olhos sem duvida!!!

Abraços e #VrummVrumm