Category Archives: Motorcycles

YZF R1 – Crossplane X Flatplane

Still today, its just log on to the online motorcycle forums or youtube to see the debates about “the ugly sound of the ‘new’ R1.” And it was clear the disapproval of the majority of users of 1000cc about the noise that the bike brings from the year 2009. (I say was, because the Yamaha YZF R1 returned among the top 10 sport bikes sold). And I, exercising my civic duty, came to say a bit of that bike with “ugly” noise, but that it needs to be really brave to accelerate.

But why the sound has changed ???

It is not only a change of a more acute sound, it is a set of results of a configuration previously unheard in street bikes.

Launched in 2009, the YZF R1 brings the same technology as the Valentino Rossi YZR M1 in MotoGP. But the big differential of this “new” R1 is that, in fact, the model incorporates the same engine architecture used on track bikes (and is not a simply phrase from Yamaha’s marketing department). It is a crankshaft where the configuration was inherited from competition motorcycles, a different arrangement of crankshafts, called “Cross-Plane”. This new technology is in the engine and is called “Big Bang”, that is, a “big explosion”. That’s because the entire engine blast cycle changed, its in-line four cylinders had different blast times, with two cylinders exploding at each cycle (turn of the crankshaft) and in the next cycle the other two.

lijsom4kg4vspuddmp4gThe Big Bang System innovates with the four cylinders exploding in the same cycle, even in misaligned times (different) they have sequential bursts every 90 degrees or ¼ turn of the crankshaft, so the answer in the accelerations is countless times stronger. Another innovation is that the second cycle of the engine turns without explosion, which causes the rear tire to recompose itself giving adhesion and soon in the next “poww”, one more strong explosion. With that changed the riding characteristic completely, and the R1 was born that was elected the bike of the year 2009/2010.

3934083777_e7cd8d0144 Some other changes have also been made to complete this new concept. The new Delta-box frame was also inspired by the Italian rider’s race bike, and received improvements to “support” the more powerful engine. It has strengthened rigidity, ensuring better manoeuvrability, more precision in the bends and stability at high speeds. The rear balance, built asymmetrically, is 30% stiffer than the previous version, and promises to keep the wheel on the ground at the curve outputs. The suspension system has also been redesigned with a new rear shock damper, fully adjustable. At the front, the 43mm diameter upside down fork has gained new adjustments and is firmer. The brakes are also new in this fifth generation. In the front, the wheels came with two discs 310 mm in diameter (10mm smaller than the 2008 version) but with more powerful six-piston radial calipers.

So, laud sound or technology/power?

Advertisements

YZF R1 – Crossplane X Flatplane

Ainda nos dias de hoje, basta entrar nos fóruns online ou youtube para ver os debates sobre “o ronco feio da ‘nova’ R1”. E era nítido a desaprovação da maioria dos usuários de 1000cc sobre o ronco diferente que a moto traz a partir do ano 2009. (digo era, pois a Yamaha YZF R1 voltou a ficar entre as 10 esportivas mais emplacadas). E eu, exercendo o meu dever cívico, vim falar um pouco dessa moto com barulho “feio”, mas que precisa ter muito peito para acelerar.

Mas porque o ronco mudou ???

Não se trata somente da mudança de um ronco mais agudo, é um conjunto de resultados de uma configuração até então inédita em motos de rua.

Lançada em 2009 no exterior,  e em 2010 no Brasil, a YZF R1 trás  a mesma tecnologia da YZR M1 de Valentino Rossi no MotoGP. Mas o grande diferencial dessa “nova” R1 é que, de fato, o modelo incorpora a mesma arquitetura do motor usado nas motos de pista (e não é simplesmente uma frase de efeito do departamento de marketing da Yamaha). Trata-se de um virabrequim onde a configuração foi herdada das motocicletas de competição, uma disposição diferente de virabrequim, o chamado “Cross-Plane” (“plano em cruz”). Essa nova tecnologia está no motor e se denomina “Big Bang”, ou seja, uma “grande explosão”.  Isso porque foi alterado todo o ciclo de explosão do motor, seus quatro cilindros em linha tinham tempos de explosão diferentes, a cada ciclo (volta do virabrequim) dois cilindros explodiam e no próximo ciclo os outros dois.

lijsom4kg4vspuddmp4gO Sistema Big Bang inova com os quatro cilindros explodindo no mesmo ciclo, mesmo em tempos desalinhados (diferentes) eles tem explosões sequenciais a cada 90 graus ou ¼ de volta do virabrequim, com isto a resposta nas acelerações é inúmeras vezes mais forte. Outra inovação é que o segundo ciclo do giro do motor fica sem explosão, o que faz com que o pneu traseiro se recomponha dando aderência e logo na seguida “pau”, mais uma forte explosão. Com isso mudou totalmente a característica de pilotagem, e nasce a R1 que foi eleita a moto do ano de 2009/2010.

 

 

3934083777_e7cd8d0144Algumas outras alterações também foram feitas para completar esse novo conceito. O novo quadro Deltabox também foi inspirado na moto de corrida do piloto italiano, e recebeu melhorias para “suportar” o motor mais potente. Teve a rigidez reforçada, garantindo melhor maneabilidade, mais precisão nas curvas e estabilidade em altas velocidades. A balança traseira, construída de forma assimétrica, é 30% mais rígida que na versão anterior, e promete manter a roda no chão nas saídas de curva. O sistema de suspensão também foi redesenhado com um novo amortecedor na traseira, totalmente ajustável. Na dianteira, o garfo upside-down de 43 mm de diâmetro ganhou novos ajustes e está mais firme. Os freios também são novos nessa quinta geração. Na dianteira, as rodas chegaram com dois discos de 310 mm de diâmetro (10 mm menor que a versão 2008) mas com pinças radiais mais potentes, de seis pistões.

E ai, ronco ou tecnologia/potencia ?

Mv Agusta F4 RC Ed. Limitada

A MV Agusta revelou a versão mais nervosa e exclusiva de sua superesportiva F4. A F4 RC “Reparto Corse”. Trata-se de uma edição limitada de apenas 250 unidades preparada pela divisão de competições da montadora. Ainda não há previsão de vir para o Brasil (como sempre, os esquecidos) mas confere ai no vídeo da MV o que é essa maquina. o/

A moto é uma evolução da F4 RR convencional. Com a mesma pintura, ela é praticamente uma versão com placa e farol do modelo que está sendo utilizado esse ano no World Superbike com o piloto britânico Leon Camier. (o boy magia, garoto propaganda do vídeo *-*)

transferir mv-agusta-f4-rc-shows-amg-logo-packs-212-hp_2

Mas não é só a pintura que se assemelha a das motos que disputam o campeonato. O motor de quatro cilindros foi inteiramente reformulado para oferecer ainda mais desempenho, utilizando-se magnésio em diversas peças. O resultado são 205 cv de potência a 13.450 rpm, com um torque de 11,7 kgf.m a 9300 rpm. A eletrônica também recebeu uma atenção especial, com a centralina eletrônica ELDOR gerenciando praticamente todos os parâmetros do motor. São 4 modos de pilotagem e há ajustes na sensibilidade do acelerador (Ride-By-Wire), no torque, no freio motor e no quick swifter. O ABS e o Controle de Tração podem ser desligados e possuem 8 níveis de intervenção. As suspensões, como se imaginava, são de primeiríssima qualidade, (não poderia ser menos se tratando da MV Agusta) da marca sueca Öhlins, modelo NIX30 na dianteira, invertida e ajustável. Atrás, o monoamortecedor é do modelo TTX36, com um reservatório separado. Há também um amortecedor de direção. Para parar esse míssil, há dois discos Brembo M50 com pinças radiais e quatro pistões na dianteira. (sou só eu que fiquei com vontade de ver o Valentino pilotando essa fera?)

pequeno (1)  pequeno (3)    p1

Além ficar mais ‘musculosa, a F4 RC também precisou passar por uma rígida dieta, na qual até o peso dos parafusos foi levado em conta, sendo de titânio, a tampa do motor é em magnésio, rodas forjadas o escapamento é termignoni e as carenagens de fibra de carbono. O resultado pôde ser visto na balança: 183 kg à seco, sete a menos que o modelo standard. (será essa a dieta de Einstein? rsrs)

2110183afed3159755f469a2f2f3df05p3 pequeno (2)  mv-agusta-f4-rc_9

Ela mantém ainda as opções de quatro mapas de ignição e três níveis de mudança de resposta de acelerador, torque, freio motor e limitador de giro. Outros itens que continuam são as suspensões com regulagem eletrônica, o freio ABS com modo race, que o deixa mais permissivo e o controle de tração com oito níveis de intervenção. (OMG  será possível por mais tecnologia MV?)

images  2_f4rc_full

Mas o que mais me chama a atenção na MV Agusta F4 RC é a pintura, semelhante à utilizada no campeonato mundial. Todos os patrocinadores estão lá, inclusive o número 37, fazendo alusão ao número de títulos que a marca de Varese já conquistou nas pistas. Também está o logo da AMG, braço esportivo da Mercedes-Benz, a nova proprietária.

134b96a2ad0e5b2c702c1ab29b0ae972 (1) 194c91855a808562f096dce367d4f845

Os compradores ainda levarão para casa um kit para transformar a motocicleta em uma versão de pista, o qual é composto por sistema de escape de titânio, unidade de controle específica, tampa do tanque com liberação rápida entre outros itens. Com ele, a MV Agusta promete elevar o desempenho de 205 cv para 212 cv de potência a 13.600 rpm. O torque é de 11,7 kgf.m a 9.300 rpm. A velocidade máxima é de 302 km/h. (só acho que as japonesas também poderiam copiar essa ideia heim hahah)

mv-agusta-f4-rc-1 images

Maaaas, mais limitada que o numero dessa F4, que vão ser apenas 250 unidades fabricadas, é o valor dessa edição. Enquanto a F4 RR sai, no Brasil, a R$ 91.900, a edição limitada RC tem o valor de 36.900 euros, o que vai sair  cerca de R$ 130 mil dilmas aqui. (ai meu coração)

transferir

É isso ai pessoal, estou ansiosa (como sempre, sempre ansiosa) para ver os teste de primeiras impressões quando essa beleza chegar por aqui na terra dos esquecidos.

Abraços e #VrummVrumm

Ducati 1199 Panigale S Senna – Mais que uma homenagem!

Hellow bikers o/ estava eu ontem super concentrada na aula de Civil, quando de repente meus ouvidos super afinados escutam laaaa de longe um #vrummmm (aquele momento que o coração acelera mais que a moto que passou) e um colega percebendo meu estado de euforia (impossível não perceber quando um barulho te acorda mais que um copo de café rs) me disse “eu sou apaixonado pela Ducati” e eu apesar de minhas criticas rebati “você já viu a Ducati Senna?” Apesar de ser uma moto apresentada em 2013 e lançada em 2014 ele não a conhecia. (aow paixão heim rsrs) Enfim.. Trago pra vocês hoje, um pouco do que é essa arma da poderosa Italiana Ducati.

ducatti_senna_2

Durante o Salão Duas Rodas de 2013, a Ducati apresentou a edição especial 1199 Panigale S Senna em homenagem ao piloto de Formula 1, Ayrton Senna. Segundo a montadora, o projeto, feito em parceria com o Instituto Ayrton Senna, foi desenvolvido para celebrar a vida e a paixão do ídolo brasileiro pelas duas rodas. Ducatista e dono de uma Monster 900 e uma Desmo 850, em 1994, antes do fatídico acidente em Ímola, Senna esteve na fábrica da Ducati em Borgo Panigale, na região de Bolonha, para desenvolver a série especial da 916. E apesar de o piloto nunca ter visto uma 1199 Panigale, as mesmas soluções utilizadas em 1994 de sua autoria, foram transferidas ao novo projeto.

Novo Apresentação do Microsoft Office PowerPoint
Senna e sua paixão pelas duas rodas.

Lançada em 1° de maio de 2014 quando completam 20 anos da morte de Ayrton e exclusiva para o mercado nacional, (porem a unidade 000 foi vendida por 35 mil euros ao ex piloto de Moto GP Max Biaggi em um leilão beneficiente. Felipe Massa também tentou comprar a moto, mas não obteve êxito. kkk) a série especial da superesportiva italiana sera um sonho para poucos, pois é limitada a 161 unidades (mesmo número de GPs que o brasileiro disputou na F1) e pelo preço de miseros 100 mil reais, se você correr, pode levar uma para casa. Parte da verba arrecadada com a venda da edição limitada da 1199 Panigale S Senna será revertida para os programas do Instituto Ayrton Senna.

panigale senna 916-1199

Mas vamos ao que interessa, vamos falar de potencia.. A  Superesportiva tem impressionante relação peso-potência de mais de 1 cv por kg. Para domar tanta força, a versão possui uma série de assistências eletrônicas, e  a lista de siglas para os aparatos é imensa, indo de freios ABS, acelerador eletrônico, controle de tração e suspensão eletrônica.

E Como a maioria das motos italianas, a Ducati não economizou em bom gosto estético. A Panigale Senna possui um acabamento bem feito, mas vai além disso. Todo conjunto óptico e o painel digital mostram o esmero dado pela fabricante ao modelo. Em cada mínimo detalhe, a moto mostra um conjunto extremamente harmonioso, já visto na Panigale tradicional e ainda mais latente na Senna por suas cores e acabamentos especiais.

WSD1234A Color_SBK-1199-Panigale-S_Senna_01_1067x600

Apesar de eu mesma torcer o nariz para uma esportiva de motor com dois cilindros, (e deixar claro meu amor pela rival Italiana MV Agusta *-*) é exatamente esta característica que faz a Panigale diferenciada. Enquanto a maioria das grandes sport faz uso de motores com quatro cilindros, o bicilíndrico em L de 1198 cc foi escolhido pela Ducati para equipar a 1199. Segue ai sua ficha técnica.

ducati ficha

Bom é isso ai gente, ainda não tive a oportunidade de ver uma pessoalmente, mas deve ser de encher os olhos sem duvida!!!

Abraços e #VrummVrumm

Descanse em paz Hornet!

Hellow bikers? Quem ai é fã da Hornet ?? Todo mundo né?? (menos eu!! rsrs) Então para aqueles que são fãs, trago uma triste noticia: Ela morreu!! Aquela Hornet que todos conhecemos, tão famosa nas musicas dos menos providos de massa encefálica cujo linguajar prolixo de nada acrescenta, acaba de falecer.

images

A Honda CB600F Hornet, cujo nome significa vespa (devido a traseira elevada e gorducha ) foi lançada originalmente em 1998 na Europa e em 2004 no Brasil. Durante esse período a qual era comercializada por aqui, ela sofreu varias modificações. Como podem conferir, nem no time de guerra no site da Honda, ela não existe mais.

Novo Apresentação do Microsoft Office PowerPoint

Entre tantas modificações com os anos, de carburada (famosa farol redondo) passou a injetada.  Mas mesmo a versão comercializada em terras brasileiras até abril de 2008 ainda era o modelo da 2ª geração, enquanto na Europa já existia a 4ª geração, com um motor totalmente novo.

carburada X injetada

Mas calma!!! Enxuga as lágrimas ai, e assoa o membro nasal que nem tudo esta perdido!!  A Honda aposentou a Hornet, mas deu um up grande na sua família CB 600, que agora são a nova arma da fabricante japonesa. Atualmente a CB600F Hornet recebeu um acréscimo de 50cc e um pequeno recuo de torque, tendo agora 87cv, o que lhe rendeu o novo nome de CB650F, eliminando o popular nome Hornet (sera que funkeiros ainda vão querer andar de rorneti? não poderia dormir em paz sem falar isso nesse post. Sorry! rs) E isso vale tanto para as versões nakad quanto carenada que agora é CBR 650F

transferir

Embora a fabricante insista que a família CB 650 não substitua as recém-aposentadas CB 600F Hornet e CBR 600F, a nova linha de 650 cc é a única opção da montadora neste segmento de cilindrada média. E não se trata de uma estratégia exclusiva ao Brasil, ambas foram apresentadas no Salão de Milão de 2013 com o mesmo discurso, e desde novembro do ano passado (2014 para quem não se lembra) elas já estão sendo fabricadas e vendidas aqui no Brasil. Dá uma olhada ai na ficha técnica da família Honda 650  (acho que tem fãs decepcionados ai heim)

 Nova-Honda-CB-650F-toma-o-lugar-da-Hornet-00

A CB650F Está disponível em duas cores: preta, e também na versão HRC com o grafismo de branco, vermelho e azul  inspirada no Honda Racing Team.

cb 500f

Então é isso gente, aqui jás uma Hornet, mas em compensação seus fãs vão ganhar uma moto 100% nova com um novo visual e com preço mais barato. Que era a grande jogada da Honda, atender às novas regras de emissões do Velho Continente e do Brasil, e aproximar seu preço com a rival XJ6N com a proposta de ser mais econômica e racional.

comparativo
Ainda sou mais a XJ6

Enquanto isso na Europa….

Enquanto aqui na Brasil todos assistem a Hornet sendo substituída pela CB 650F, eis que surgem, fotos da nova Honda Hornet 800 2015 na Europa. ISSO MESMO 800cc!!. (lembre-se que apesar de não ofertarem mais, a marca não falou em momento algum que a CB 650F seria a nova Hornet)

800 3

De acordo com a publicação da revista francesa Moto Revue, a “nova” Hornet 2015 chegará com um novo motor de 800cc, mais potente, com cerca de 115 cavalos (contra 102 da falecida e 65 da atual). O peso deve ficar em torno dos 190 kg e velocidade máxima de 230 km/h.

800

Com está configuração, a nova Honda Hornet 800 2015 se alinhará às rivais em cilindrada, como Kawasaki Z800, BMW F800R, Ducati Streetfigther 848 e Suzuki GSR 750.

800 1

Mas acalmem-se que por enquanto esses boatos correm somente na Europa. Neste momento são muitas perguntas, para poucas respostas. O jeito é acalmar as bichas e esperar.

Felizes ou não, é isso ai!!

Abraços e #VrummVrumm

The beauty is a Beast!!

For those who know me, you know that one of my “motorcycle passions” is the YZF R6. So I’ll talk a little about this … how can I say … Beast !! The R6 is a bike that “fits” in the category of the 600cc, but it is much more than that, it is the most sports in this segment. It was released a year after its older sister YZF R1 in 1998, but its rise was only in 2003 where it had some modifications and it gained the title of superbike.

Over 17 years, the R6 underwent several modifications and improvements, always for the better I would say.

In 1999 it came out with 120hp and 169kg.

1999-primeira-R6-120-cv-com-indução-de-ar-e-169kg-peso-seco-300x180

In 2001 its weight was reduced to 167,5 kg and gained led in the tail lights.

2001-motor-melhorado-redução-do-peso-1675-kg-led-nas-lanternas-traseiras-e-alterações-no-assento-300x179

In 2003 it had its new chassis, new engine with fuel injection and a new design with headlights of 4 lenses, wheels of 5 rays and still reduction of weight to 162kg.

2003-chassi-renovado-novo-motor-com-injeção-de-combustivel-novo-design-farois-de-4-lentes-rodas-de-5-raios-redução-de-peso-1

2005 received front forks reversed with larger brakes and also received an autographed edition by Valentino Rossi.

2005-garfo-dianteiro-invertido-com-freios-maiores-tipo-dadiais-na-foro-ed-autografado-por-vr-300x181

In 2006, the R6 came a totally new bike, more sport, with a seductive design and equipped with ycc-t by wire acceleration system adapted from Moto GP, and the engine with titanium valves that generate 127hp at 16,500rpm.

2006-300x176

In 2008 the frame is more rigid and balanced made in magnesium sub-frame, engine with ycc-I system and increased compression ratio, leading to 135hp (until today).

2008-o-quadro-é-mais-rigido-e-equilibrado-feito-em-subtrama-de-magnesio-motor-com-sistema-ycc-1-e-taxa-de-compressão-aumentada

The YZF R6 was designed and inspired for track, which was perfected for use on the street. But to explain why she deserves this title, I’ll make a comparison with her friends of the same category:

YAMAHA YZF R6 HONDA CBR 600RR HONDA CB 600F SUZUKI GSX 650F KAWASAKI ZX-6R
4 cylinders 4 cylinders 4 cylinders 4 cylinders 4 cylinders
599 cc 599 cc 599 cc 656 cc 599 cc
135hp 118hp 102hp 85hp 128hp

And I also dare to say that it has a power of 750 in a little body of 600, when I compare it with the SUZUKI GSX-R 750 that has 150hp. For me another point on the R6 that seduces me more and more, its your aesthetics: sharp fairings and super aggressive riding position inviting to attack lying curves, and to accelerate with force!

 

 

Well, but if you are reading this article in Brazil, I have to tell you that unfortunately Yamaha does not import this model to Brazil, to adquire a model of this, only through an independent importer and tropicalizing it. Which makes its cost incredibly expensive compared to others in the same segment, and also making it difficult as to the issue of service and maintenance. Well let’s hope that one day the R6 enters the plans of Yamaha Brazil.

17203157_1678296742469995_5521758821287962246_n
For the haters!

 

 

 

 

 

A bela é Fera !!

Para quem me conhece, sabe que uma das minhas “motos paixões” é a YZF R6. Eu mandei uma dúvida para a revista Motociclismo relacionado a ela que saiu na edição de fevereiro desse ano. Então vou falar um pouco sobre essa… como posso dizer… Fera!!

10678720_1409106742722331_1149749397226856355_n

Primeiro que falar da R6 para mim é ver meus olhinhos brilhando. *-*  Mas o que ela tem de tão especial Helo? A R6 é uma moto que se “encaixa” na categoria das 600cc, porem ela é muito mais que isso, ela é a mais esportiva das esportivas desse segmento. Foi lançada um ano depois da sua irmã mais velha a YZF R1 em 1998, mas sua ascensão foi somente em 2003 onde teve algumas modificações e ganhou o titulo de superbike.

Ao longo de 17 anos, a R6 passou por varias modificações e aperfeiçoamentos (sempre para melhor eu diria).

Em 1999 ela saiu com 120cv e 169kg.

1999-primeira-R6-120-cv-com-indução-de-ar-e-169kg-peso-seco-300x180

Em 2001 o seu peso foi reduzido para 167,5kg e ganhou led nas lanternas traseiras.

2001-motor-melhorado-redução-do-peso-1675-kg-led-nas-lanternas-traseiras-e-alterações-no-assento-300x179

Em 2003 teve seu chassi renovado,  novo motor com injeção de combustível e um novo design com faróis de 4 lentes, rodas de 5 raios e ainda redução de peso para 162kg.

2003-chassi-renovado-novo-motor-com-injeção-de-combustivel-novo-design-farois-de-4-lentes-rodas-de-5-raios-redução-de-peso-1

2005 ganhou garfos dianteiro invertido, com freios maiores e ainda obteve uma edição autografada pelo Valentino Rossi (minha segunda paixão rs).

2005-garfo-dianteiro-invertido-com-freios-maiores-tipo-dadiais-na-foro-ed-autografado-por-vr-300x181

Em 2006, a R6 veio uma moto totalmente nova, mais esportiva, com um design sedutor e equipada com sistema de aceleração ycc-t by wire adaptada do Moto GP, o motor com válvulas de titânio que geram 127cv a 16,500rpm.

2006-300x176

Em 2008 o quadro é mais rígido e equilibrado feito em subtrama de magnésio, motor com sistema ycc-I e taxa de compressão aumentada, levando aos 135cv (até hoje).

2008-o-quadro-é-mais-rigido-e-equilibrado-feito-em-subtrama-de-magnesio-motor-com-sistema-ycc-1-e-taxa-de-compressão-aumentada

A YZF R6 foi uma moto projetada e inspirada para pista, que foi aperfeiçoada para ser usada na rua. Mas para explicar por que ela merece esse titulo, vou fazer uma comparação com suas amigas da mesma categoria:

YAMAHA YZF R6 HONDA CBR 600RR HONDA CB 600F SUZUKI GSX 650F KAWASAKI ZX-6R
4 cilindros 4 cilindros 4 cilindros 4 cilindros 4 cilindros
599 cc 599 cc 599 cc 656 cc 599 cc
135 cv 118 cv 102 cv 85 cv 128 cv

E ainda ouso dizer que ela tem potencia de 750 num corpinho de 600, quando a comparo com a SUZUKI GSX-R 750 que tem 150cv. Para mim outro ponto na R6 que me seduz cada vez mais, é a sua estética, e vamos combinar né, que estética!! Carenagens afiladas e posição de pilotagem super agressiva convidando a atacar curvas deitadas, e a acelerar com força!

. 10735_1185812016121_1552916586_304910403044_1512051929064508_5975339780076709785_n10268607_798298880206223_7423281061119217828_n09f33d70560ea373e29f656d0f19a581

Mas nem tudo são flores, infelizmente a Yamaha não importa esse modelo para o Brasil, assim como suas outras motocicletas a quais são importada as peças e montadas em sua fabrica em Manaus. Para adquirir um modelo desse, somente através de um importador independente e tropicalizando a mesma. O que torna o seu custo absurdamente caro comparada com as outras do mesmo segmento, e também dificultando quanto a questão de assistência técnica e manutenção. Bom vamos esperar que as previsões da Revista Motociclismo estejam certas, e que a R6 entre nos planos da Yamaha Brasil.